Scroll Top

PEQUENAS ESTÓRIAS GANDAREZAS: O “FIGURÃO” E O “IGNORANTE”

Carlos Tarelho

Há poucos dias fiz a minha visita mensal à Biblioteca Municipal de Vagos para ir buscar os dois ou três livros que leio por mês (desde 2015). Morando em Mira, não me perguntem porque frequento a biblioteca de Vagos e não a local, como seria lógico, mas provavelmente encontrarão a resposta junto da Câmara Municipal. Se desde as minhas primeiras visitas se tiver alterado o espólio da Biblioteca de Mira apresento desde já as minhas desculpas por esta “velada” crítica.

Avante. Em frente à biblioteca (em dia de plena azáfama de preparação das festas de Vagos) encontravam-se três pessoas numa aparente sessão fotográfica. Uma senhora ainda nova, bem vestida (aparte), o fotógrafo (aparentemente) pois tinha uma máquina fotográfica e um tripé e, a terceira pessoa (relativamente nova), de fato (não de facto, passe a brincadeira), a brincar com uma bola de futebol e a posar para as fotografias.

Aproximei-me deles e perguntei se podia passar sem interferir com as fotografias. O sr. do fato e da bola disse-me que sim e perguntou se eu queria tirar uma fotografia com ele! Achei estranho e disse-lhe a sorrir que não, obrigado. Entrei normalmente na biblioteca e perguntei à funcionária a quem entreguei os livros se sabia quem eram os “figurões” que estavam à entrada numa sessão fotográfica. Disse-me que não, pois não tinha visto nada. Subi ao primeiro andar onde se encontram as estantes (e os livros, claro) e fiz a mesma pergunta aos dois funcionários que lá estavam. Um deles disse que andava por aí o presidente da Câmara a tirar fotografias e que por acaso tinha uma bola, pelo que devia ser ele!

Moral da estória. O “figurão”, o sr presidente da Câmara de Vagos (que eu não conhecia) achou que eu, frequentador da Biblioteca Municipal de Vagos, o conhecia e seria provavelmente um seu eleitor, pelo que ficaria muito honrado em tirar uma fotografia com ele! O “ignorante”, a minha pessoa, fez uma “desfeita” ao sr. Presidente por não querer posar para a imortalidade ao lado dele.

Ao chegar a casa fiz uma pesquisa na net e efetivamente, para que conste, o “futebolista de fato” em causa era o sr. Silvério Rodrigues Regalado, 43 anos, digníssimo Presidente da Câmara Municipal de Vagos. Sei que, provavelmente, não lerá este artigo mas desde já as minhas desculpas por não o conhecer.

Carlos Tarelho é um professor mirense, que escreve estórias que lhe vão acontecendo.

Posts relacionados