Scroll Top

OS SABORES DO CHEF: OURÉM, VILA MAJESTOSA / MIGAS DE CHÍCHARO COM AZEITONAS RETALHADAS

Sabores do Chef

Majestoso o ponto mais alto da Vila Medieval de Ourém. A grandeza dos torreões do castelo, a imensidão circundante da paisagem, no terreiro de Santiago, descampado aberto de 1ha, decorrem ensaios de grupos medievos, junto ao Paço do Conde um concerto inesquecível dos “Whales”. É um local fabuloso de fruição e lazer, um roteiro romântico de cortar a respiração. O pôr do sol é maravilhoso.

O burgo de Ourém, outrora conhecido por Abdegas, encontra-se numa zona estratégica de Portugal. Ocupado desde a pré-história, o castelo foi reconquistado aos mouros no século XII, reconstruído no século XV, é monumento nacional desde 1910. A recente requalificação torna-o uma das mais belas peças do género em Portugal.

Depois de muito sobe, por pátios, ruinhas e calçadas estreitas de contornar perseguições e o tempo, uma justificada visita ao “Ucharia do Conde”. Um espaço icónico no centro histórico cuja despensa se encontram produtos tradicionais de qualidade, com provas de vinhos, azeites aromatizados, tábua de queijos, enchidos regionais, bolo do arco, compotas, numa atmosfera medieval onde as paredes fazem eco a uma viagem sensorial ao passado.

Uma visita às “Grutas da Moeda”, descobertas em 1971, por caçadores na perseguição de uma raposa que ali se refugiou, compostas por diversas galerias numa extensão de 350 metros, 45 metros de profundidade, podem contemplar-se as estalagmites e estalactites que se formam devido à infiltração das águas da atmosfera.

Ourém, consagra setembro à gastronomia. Com adesão de mais de 50 restaurantes, forasteiros de todo o lado para contemplar a história, a natureza, mas também a esgotar restaurantes à procura da boa comida de tradição. 

De volta ao burgo encontramos a “Casa do Castelo” para descansar o estômago. Um restaurante onde se come bem, alguns preços a rondar o exagero, pouca privacidade entre mesas, ementa específica; carneiro guisado à Vale do Travesso, coelho à moda da Ortiga, chícharos, mexudas, friginada, migas, merendas, papas de milho com abóbora, bolinhos dos santos, bolo do arco, em companhia do “Vinho Medieval de Ourém”, protegido desde 2005, tradição que remonta aos monges de Cister, com 8 séculos. Todos fazem questão de o harmonizar com as suas ementas e petiscos.

Migas de Chícharo com azeitonas retalhadas

Demolhar 200gr de chícharos (leguminosa semelhante ao feijão), cozer com fio de azeite. Cortam-se 200gr de couve galega como para caldo verde, coze-se, em água fervente com sal, escorre-se. Demolhar 200gr de broa na água de cozedura. Levar ao lume uma frigideira com fundo de azeite, 5 dentes de alho picados, adicionar os chícharos, a couve, o pão, envolver bem. Retificar de sal e pimenta. Juntar e envolver azeitonas retalhadas, sem caroço. Pode servir de petisco ou acompanhamento.

Bom apetite!

Mário Moreira

Posts relacionados