Scroll Top

OPINIÃO: AS “MIGALHAS” QUE A UE ENVIA “VERSUS” BOA APLICAÇÃO DAS MESMAS

Opiniao

Contas feitas após a apresentação das medidas de apoio às famílias, concluímos que as mesmas são muito inferiores à taxa real da inflação e por conseguinte às necessidades! As mesmas também não batem certo! Basta fazer um pequeno exemplo do noticiado:

2700×4,07= 109,89€ e não os “tais” 125€. Nem mesmo com tanta propaganda, conseguem fazer contas certas!

As famílias precisavam de medidas estruturantes que mexam efetivamente nos custos fixos mensais, porque estar a dar migalhas sem estancar a “inflação” que nos faz gastar mais do que recebemos, quase instantaneamente. A prestação da casa deve ser uma das medidas estruturais, bem como o abaixamento do ISP – Imposto sobre Produtos Petrolíferos e no Iva dos combustíveis, água e energia, embora que com as propostas para a energia ou combustíveis o desconto/redução por fatura é pouco mais que 2€ na maioria dos casos! A fatura da água? não isso é tabu… não se pode falar! Assim houvesse coragem, porque onde está o colossal aumento da fatura da água, não é na taxa variável ou de consumo, mas sim em aplicações de taxas e taxinhas que nada tem de haver com o consumo, como nos querem fazer crer, com a narrativa das alterações climáticas e a da falta de água! O poder de compra das famílias, existente, é o da sobrevivência! Não existe mais dinheiro nos bolsos de cada uma e cada um de nós, mas sim cada vez menos, porque ainda não houve coragem para a reduzir o que realmente se traduz em poupança no dia a dia. Anunciar medidas a curto prazo é muito fácil, mas anunciar medidas estruturantes de médio longo prazo não as vimos anunciar, porque, quem manda não é o governo, mas sim a UE.

Os 2,3 milhões de pensionistas, que beneficiaram do “Bónus” de 10 euros atribuído a pensões até 1108 euros, termina em 2023 e não é renovado, significa que vão perder 10€ nas pensões essa é uma certeza!

Agora o apoio dado aos pensionistas reduz em grande escala, nos quase 40% a taxa de aumento das pensões nos anos seguintes! A banha da cobra está a ser bem vendida, as previsões e ratings também têm ajudado, mas a sorte sem reformas não dura para sempre!

Nas empresas, algumas apenas necessitam de apoio, no que o estado lhes deve!

As medidas para alavancar a nossa economia devem de ser viradas para as empresas que investem e criam emprego! Os apoios não podem continuar meses a fio demorar a chegar às empresas.

Deve haver uma completa reorganização nos tempos de pagamento de

candidaturas, sob pena de algumas empresas que investiram e até criaram bastantes postos de trabalho, fecharem portas, devido aos colossais aumentos da energia/combustíveis e água!

O aumento das taxas de juro, mais parece uma montanha sem fim à vista!

Mas, as taxas de depósitos a prazo, ainda não acompanham as subidas dos juros do BCE, porque será?

Existem governantes que ficam na história por serem corajosos nas reformas e de reivindicarem junto da UE e não se ajoelharem à UE, esperando apenas as esmolas ou caridade que nos querem “doar”.

A certeza de empobrecer já não é uma incerteza!

Não há vouchers ou vales que nos valham!

Fernando Pereira

Presidente do MCD – Movimento Cidadania Democrática