Scroll Top

MIRA, TERRA DE SONHO e DE SONHOS

POLÍTICA

MIRA é um concelho do litoral, mas que padece de muitas condições similares ao interior do país. É um concelho cada vez mais envelhecido, fruto da baixa natalidade e das dificuldades em fixar a população.

O tecido empresarial local é composto por pequenas e médias unidades industriais. Muita população trabalha nos concelhos limítrofes, ou está emigrada, pois as oportunidades de emprego são reduzidas.

O concelho foi abençoado com excelentes RECURSOS AMBIENTAIS, que vão desde os Hídricos (Barrinha, Lagoa e Barragem do Casal de São Tomé), às excelsas praias (Praia de Mira e Poço da Cruz) passando pela sua extensa floresta que já foi um dos seus ex-líbris.

Atualmente os recursos hídricos, estão severamente ameaçados, pelo facto de o concelho não possuir, em pleno Séc. XXI, saneamento básico numa larga maioria das localidades.

O concelho possui focos de poluição nos seus cursos de água à entrada do concelho, tal como a Veia Real (Cochadas) e a Vala Velha (Corticeiro de Cima). Como os recursos hídricos se encontram muito debilitados proliferam plantas aquáticas invasoras como o Jacinto de Água (Eichhornia crassipes).

As próprias zonas industriais, não estão ligadas a nenhuma rede de saneamento. Neste momento está a ser construída uma nova zona industrial sem acautelar uma ligação rodoviária decente (Auto Estrada ou Via Rápida) e sem saneamento básico.

No que à FLORESTA diz respeito, o retrato também não é muito positivo. Após os incêndios de outubro de 2017, deveria ter sido executado um plano de Reflorestação Rápido, Ambicioso e Abrangente. O Plano de Reflorestação foi APROVADO, no entanto, ainda não foi concretizado. Grande parte da área ardida, já foi invadida por Acácias das Espigas (Acácia Longifolia). É premente, tomar medidas para combater esta invasora australiana pirófita.

Importa também referir, que grande parte das ruas das aldeias do concelho não estão devidamente infraestruturadas com passeios e sistemas de recolha de águas pluviais. Começa a ser constrangedor, ver as pequenas aldeias do concelho de Vagos e Cantanhede devidamente infraestruturadas com passeios, recolha de águas pluviais, saneamento e até ciclovias e Mira continuar a marcar passo.

 

Texto.: Augusto Miranda (Membro da Assembleia Municipal de Mira) publicado no Portal do Partido CHEGA

Posts relacionados