Scroll Top

ENTREVISTA RELÂMPAGO COM ISIDRO DIAS

ENTREVISTAS

Isidro Dias é fotógrafo profissional e nasceu em Febres. Ouçam como ele respira.

 

Fotógrafo profissional desde quando?

Fotógrafo e videógrafo amador desde 1990, Fotógrafo e videógrafo profissional desde 2001.

 

Já foste premiado. Que sensação?

Já fui inúmeras vezes premiado. Tanto em Casamento, como em fotografia de Nu ou Conceptual.

A fotografia tem disto… tem diversos temas, técnicas e objetivos. felizmente sou muito procurado para sessões fotográficas, sessões de Nu e eventos como casamentos ou batismos.

 A sensação de receber um prémio é sempre gratificante e convida-me a criar mais, a pensar mais…  mas sem entrar em corridas ou loucuras na procura de galhardetes.

A procura de prémios tende a ser natural e pacífica. Aprendi desde pequeno a ser perfeccionista e dar o melhor de mim. Afinal os imensos workshops e formações que faço, devem ser colocados em prática.

E sem pressas, vamos apurando os sentidos, definindo caminhos e obviamente obtendo reconhecimento.

 

Ouço por vezes queixas de certos colegas teus sobre a crise e a net que os prejudicou. Que pensas disso?

Acerca da profissão, a fotografia em Portugal tem andado conturbada.

A aparição de novos mercados e a ajuda da internet, desafiou-nos para o melhor e pior.

 Para o melhor, é a diversidade de oferta e a facilidade de estarmos com o cliente, de divulgarmos o nosso portfolio e aventuras.

 Para o pior, é o surgimento de alguma deslealdade, praticada sobretudo por gente que agora surgiu na área, ávida de conquistar mercado e clientes.

 Existe muita gente que se acha fotógrafo como se fosse um Marcelo Rebelo de Sousa, só porque tem uma máquina e uma mochila. Mas não é assim!

 Surgem depois as situações bizarras, a falta de qualidade e essencialmente a falta de experiência. E aparece o cliente insatisfeito, chegando ao patamar de desconfiar depois de todos, como se todos fossem iguais.

 É tempo de apostarmos forte, de mostrarmos as diferenças e seguirmos em frente, sem baixar braços ou sem descer degraus no nosso trabalho ou valores.

 O nosso portfólio tem de ser arrojado e diferenciado. Com calma, o mercado vai reconhecendo!

 

A fotografia é mesmo uma parte da tua vida?

A fotografia é uma parte grande da minha vida. Sou formado em televisão e estúdio. Foi uma formação pretendida e sonhada. Por isso segui o caminho natural, querendo ser mais e melhor.

Nada me caiu no prato, por uma qualquer casualidade. Hoje vivo a imagem nas mais diversas áreas, desde o vídeo, à fotografia ou a algo relacionado.

Quis assim! Faço o que gosto. E sou muito feliz.

 

Ainda tens saudades da rádio?

A rádio é um problema. É a minha outra filha!

Fui muito feliz enquanto durou. E se não durou mais, foi porque as pessoas atrás das rádios eram genuinamente incompetentes, politizadas ou más gestoras.

Tive pena, várias vezes!

 Mas sonho com rádio e gostaria de voltar e fazer das minhas… sempre de forma surpreendente e inesperada!

 Até sonho com a criação dum projeto online, sério e coerente, capaz de abanar com o meio.

 E o meio não está explorado decentemente. Há muita confusão, falta de visão, falta de alma e coerência.

 A minha ideia vai-se cozinhando…, mas um dia quem sabe!

Posts relacionados