Scroll Top

COMUNICADO DE IMPRENSA: 1º ANIVERSÁRIO – MOVIMENTO DE CIDADANIA DEMOCRÁTICA

MCD 1

Um ano ao serviço do Cidadão e da fiscalização das boas práticas na Atividade Cívica e Política!

 

Hoje, dia 17 de novembro de 2022, faz um ano que O MCD – Movimento de Cidadania Democrática se constituiu formalmente como associação.

No cumprimento do sublime desígnio da defesa da Cidadania, do Conhecimento e dos Direitos, Liberdades e Garantias do Cidadão, elegemos como nosso lema de ação a “Ciência com Ética” e a “Liberdade com Responsabilidade”. Pugnamos também pela transparência governativa local e nacional, por uma justiça mais célere e pela necessidade de uma profunda reforma do sistema político e eleitoral, na prossecução de uma sociedade mais justa, progressista, solidária, inclusiva e sustentável do ponto de vista ambiental, social e económico.

No cumprimento da nossa missão de dar voz à Sociedade Civil, na defesa do pensamento livre e da cultura democrática, realizamos toda uma série de iniciativas, de que destacamos as Conferências “Cidadania Democrática”, realizadas em Coimbra e em Aveiro, os Fóruns “Ambiente, Recursos e Energia”, em Viana do Castelo, “Juventude e Covid”, na Maia, “Água –

Bem Público ou Privado?”, em Montemor-o-Velho, “Cidadania, Cultura e Património”, em Vila Nova de Famalicão, “O Sistema Prisional Português – Uma Questão de Cidadania”, em Matosinhos, e o Congresso Internacional sobre “Gestão de Pandemias/Saúde”, em Fátima. Realizamos também toda uma série de podcasts com o nome “A Propósito …”, em que

convidamos personalidades das mais diferentes áreas de atividade para falarem connosco de temas da atualidade.

Para todos estes eventos presenciais e virtuais convidamos figuras conhecidas da sociedade portuguesa, como Clemente Pedro Nunes, Paulo de Morais, José Roquette, Ventura Leite, Mário Frota, Henrique Neto, Quintino Aires, Joana Amaral Dias, Fernando Nobre, Renato Epifânio, Aline de Beuvink, Carlos Branco, José Abraão, Joaquim Delgado, José Manuel Fernandes, João Peres, Rui Castro, Joaquim Couto, Vítor Ilharco, Margarida Ferreirinha, Lopes Cordeiro e Paulo Sande, só para referir estes. Em algumas das nossas iniciativas tivemos como parceiras associações como a APAR – Associação Portuguesa de Apoio ao Recluso, a ÍRIS – Associação Nacional de Ambiente, o MAIS – Movimento de Cidadania Independente e a PASC –

Plataforma de Associações da Sociedade Civil.

Para melhor preparação das nossas atividades constituímos o GRIC – Gabinete de Reflexão e Inovação para a Cidadania, que integra proeminentes cientistas, autarcas, juristas, professores, ativistas, sindicalistas, associativistas, artistas e empresários portugueses como, sem desprimor para todos os restantes que ultrapassam as quatro dezenas, Cândido Ferreira, João Dias da Silva, José Vieira da Cunha, António Arruda, Jaime Pereira dos Santos, Zeferino Boal, Diogo Cabrita, Pedro Pereira, Pedro Ferreira, Mónica Rodrigues, Filipe Saraiva, José Maria Teixeira, João Vinagre, Humberto Rocha, Emília Araújo, Carla Oliveira,

Giovanni Concolino, Pedro Caetano, Elvira Callapez, Cristina Barradas, Celso Monteiro, Paula Santos, Sónia Fernandes, Sofia Afonso Ferreira, Luís Leal, Paulo Pimenta de Castro, António Veríssimo, Marta Gameiro, Pedro Ladeira, Anabela Tinta-Fina Cartas e Paula Veiga, e é presidido por José Pinheiro Castro.

No presente exercício são membros da Direção do MCD Fernando Pereira, Carlos Magalhães, Bruno Monarca, Armando Maia e Carlos Silva e Presidente da Mesa da Assembleia-Geral Artur Cordeiro. É Presidente Honorário do MCD José Manuel Silva, ex-Bastonário da Ordem dos Médicos e atual Presidente da Câmara Municipal de Coimbra.

O MCD tem também como apanágio combater as situações de irregularidade, incompatibilidade e desrespeito pela lei na prática política e no exercício dos cargos públicos, mesmo que nos tentem acusar por difamação e calúnia sem qualquer razão ética e jurídica para o fazer. O MCD, sempre que necessário, interporá ações criminais contra quem nos decida acusar sem investigar devidamente os factos, através de uma estratégia habilidosa que visa inverter o ónus da culpa de quem prevarica para quem denuncia as más práticas, deturpando assim os valores absolutos da verdade e da justiça.

 

17 de novembro de 2022,

a Direção

Posts relacionados