Scroll Top

CINETEATRO MESSIAS “ABERTO” À FORMAÇÃO EM TEATRO

DO OUTRO LADO

O Cineteatro Messias terá uma componente de formação de atores e aulas de teatro fruto de um protocolo celebrado com a “NOC – Associação, detentora da marca “Caixa de Palco”. As aulas e formação de atores serão para crianças, mas também para adultos. 

“Esta iniciativa nasce do repto feito, há cerca de um ano, às associações culturais concelhias para nos ajudarem a ter um Município mais ativo e dinâmico no que respeita à oferta cultural. Recebemos, desta associação, a proposta de alocar um espaço para a formação nesta área da representação e tentámos corresponder, uma vez que faz parte do nosso compromisso cultural a abertura do Cineteatro Messias às associações locais, bem como garantir o acesso à cultura por parte da comunidade”, explica Gil Ferreira, vereador da Cultura da Câmara Municipal da Mealhada. 

O protocolo prevê que a “Caixa de Palco” use diversos espaços do Cineteatro Messias para a formação e aulas, mas também para o desenvolvimento de atividades culturais ligadas ao teatro, num projeto denominado “Palco Comum”. 

A Academia Caixa de Palco” terá “Aulas de teatro” para qualquer pessoa com interesse na área do teatro, com turmas, que poderão ir dos 3 aos 11 anos, dos 12 aos 23 anos, dos 24 aos 54 anos e a partir dos 55 anos. A formação de atores será para maiores de 14 anos, direcionada para pessoas que pretendam seguir teatro profissionalmente. A Caixa de Palco desenvolverá ainda os “Ateliês de Teatro”, que terão como ponto de partida a aprendizagem de técnicas teatrais e procuram o desenvolvimento de competências de palco a partir de componentes teórico-práticas na área da representação.

“Vemos o Cineteatro Municipal Messias (CTM) como a âncora do Setor da Cultura no Município, sendo uma “casa aberta” a espetáculos nacionais, bem como às coletividades locais. Nessa medida, é um instrumento de grande importância na prossecução das políticas de desenvolvimento cultural por nós definidas, combinando – e muitas vezes fundindo – estas duas vertentes de programação: espetáculos nacionais com produções locais”, ressalva Gil Ferreira.

Posts relacionados