Scroll Top

ARQUIVO COIMBRÃO ACESSÍVEL À DISTÂNCIA DE UM CLIQUE NO PORTAL DA BIBLIOTECA MUNICIPAL 

DO OUTRO LADO

O Arquivo Coimbrão está, a partir de agora, acessível à distância de um clique através do Portal da Biblioteca Municipal de Coimbra (BMC), numa área dedicada à história do Boletim da BMC, editado pela primeira vez em 1923. Assim, lá é possível encontrar os critérios de publicação dos textos e os sumários dos 44 volumes desta publicação que , no início do ano, viu serem editados os dois mais recentes exemplares. O Arquivo Coimbrão está à venda na Livraria Municipal e noutros espaços municipais. 

 

À distância de um clique, no Portal da BMC, os interessados podem consultar mais facilmente  alguns aspetos do Arquivo Coimbrão, como a sua história, que remonta a 1923 e se confunde com o centenário da Biblioteca Municipal. Nesta área, ficamos a saber que “foi no longínquo ano de 1923 que veio a lume o primeiro volume de uma publicação da responsabilidade da BMC, que tinha como objetivo reunir artigos de investigação sobre a história da cidade e das suas gentes, provenientes de personalidades com reconhecido mérito científico, assim como, diversa informação sobre as atividades, fundo documental e perfil de utilizadores da própria Biblioteca sob autoria dos seus responsáveis.”

 

Outra das áreas de interesse é a dos critérios de publicação que, desde a primeira hora, nortearam-se por, como escreveu o antigo diretor da BMC, Pinto Loureiro, tentar “constituir-se como porta-voz da grandeza documental e monumental da cidade e da região”. Neste capítulo, definem-se as regras a que devem obedecer os textos enviados para publicação, após apreciação do conselho editorial, sempre sob a égide da temática coimbrã nas suas variadas vertentes.

 

Uma terceira ligação é a dos sumários de cada um dos volumes do Aquivo Coimbrão, através dos índices temáticos. É, por exemplo, dessa forma que ficamos a saber que a primeira edição, saída em julho de 1923, é composta por um preâmbulo assinado por José Pinto Loureiro que, também, nos dá a conhecer a BMC num artigo. Há, ainda, um excerto de um livro sobre Santa Cruz, da autoria de A. Gonçalves, documentos inéditos sobre as águas da cidade, cartas de Camilo Castelo Branco, de António Feliciano de Castilho e de Inocêncio Francisco da Silva, um catálogo dos manuscritos da BMC, por Pinto Loureiro, um texto sobre “José de Seabra da Silva e o encanamento do Rio Mondego: Nota histórica das medidas adotadas sobre o assunto”, por Manuel da Silva Gaio, “Coimbra: Sucinto balanço”, por Floro Henriques,  “O Castelo de Coimbra e a Lenda de Martim de Freitas”, por A.M. Simões de Castro, o “Catálogo da estante Martins de Carvalho”, por T.F, um artigo sobre a “Inquisição em Coimbra”, por Fortunato de Almeida, e, ainda, diversas publicações recebidas.

 

De referir, também, que ao longo dos anos a Câmara Municipal de Coimbra tem desenvolvido uma profícua atividade de edição livros, revistas, catálogos, mas também cd’s, postais, gravuras, medalhas e, ao mesmo tempo, tem apoiado a publicação de inúmeras obras. O catálogo destas edições está disponível no site de Biblioteca Municipal, mas as edições também podem ser adquiridas no balcão da BMC e no do Museu Municipal.

Posts relacionados