Scroll Top

A AUSÊNCIA DE SENTIDO ESTÉTICO EM CANTANHEDE

Opiniao

A definição de políticas de defesa do património, em Cantanhede, deve muito à falta de sensibilidade estética, em particular dos decisores políticos. O concelho conhecido pela “pedra de Ançã” pouco faz efetivamente para a defender, quando muito prefere substituí-la por alcatrão. O património material do concelho não se resume, apenas, ao universo da casa gandaresa, cujas autoridades camarárias, num discurso vazio articulado com palavras soltas, contradizem-se, destruindo o que de melhor, ainda, temos, e tínhamos, a calçada.  

A retirada da calçada em frente ao tribunal e no Largo de S. Mateus, em Cantanhede e a sua substituição por alcatrão, constitui uma agressão ao, pouco, património que ainda nos resta na cidade. Paulatinamente, e sem fazer alarido, substitui-se a calçada, não vá ela torcer um tornozelo mais sensível e desprevenido. Seria mais sensato aplicar lajes de pedra ou polir a calçada na largura de 1m para facilitar a circulação, em particular dos que tem mobilidade reduzida ou que utilizem equipamentos de mobilidade.

Fizeram-se ouvir vozes de descontentamento de muitos cidadãos, inclusive na assembleia municipal, na voz da bancada do Partido Socialista, que consideram que esta substituição, constitui um atentado ao património local. Contudo as “vozes do poder” assobiam para o ar, desvalorizando todos os que se manifestaram e manifestam contra, numa atitude de sobranceria, que não fica nada bem a quem tem responsabilidades autárquicas.

A substituição da pedra pela política do alcatrão não augura nada de bom, não apenas em termos ambientais, como económicos. Potenciar os empresários locais da exploração da pedra, um recurso endógeno, deverá ser uma obrigação das políticas municipais, fomentando o emprego e a fixação de dinheiros no concelho, assim como valorizar a marca “pedra de Ançã”, que tarda em se afirmar.

O que une um povo é o seu património material e imaterial, e fazer vista grossa ao esforço da memória e do trabalho coletivo, não parece que contribua para um futuro promissor.

Abel Carapêto

Secretário Coordenador da Sessão do Partido Socialista de Cantanhede

Posts relacionados